“Estamos vivendo um momento muito crítico pela falta de repasses” desabafa Ronio em coletiva

O prefeito Ronio Condão (PSDB), o deputado Baiano Filho (PSDB) e os vereadores Polaco (PSDB), Uasley Werneck (PR), Lucimeire Lazara (PT), Elton da Saúde (PSDB), Zetão (PSD), Gean Carlos (PMDB) e Marli Lima (PDT) se reuniram na manhã dessa segunda-feira (07) com a imprensa de Confresa para uma coletiva sobre a situação vivenciada pela saúde do município, que nos últimos meses tem sofrido com dificuldades financeiras e consequentemente tendo alguns atendimentos prejudicados.

A reunião durou mais de 3 horas, além do debate da situação foi definido as ações em conjunto que serão realizadas para amenizar as dificuldades.

O prefeito Ronio Condão, classificou durante o encontro que a situação financeira da saúde é muito grave.

“Estamos passando por problemas na saúde por conta das dificuldades orçamentarias que estamos enfrentando em virtude da não transferência da portaria 111 que mantém o hospital como regional e outras atrasos da área, essa situação traz sérios problemas, não se paga conta sem dinheiro” desabafou o prefeito.

A Prefeitura de Confresa está sem receber do Estado de Mato Grosso, especificamente na área da Saúde, os seguintes valores:

R$974.691,80 (novecentos e setenta quatro mil e seiscentos e noventa e um reais e oitenta centavos) relativos ainda ao exercício de 2016, sendo verbas do MAC, PAICI, Programa de Assistência Farmacêutica, Programa Regionalização, Incentivo Financeiro ACS’s, Incentivo Financeiro Agentes de Combate a Endemias; ESF Atenção Primária, e Resolução CIB para combate à dengue;

R$2.502.448,00 (dois milhões e quinhentos e dois mil e quatrocentos e quarenta e oito reais) relativos ao exercício de 2017, sendo verbas do MAC, PAICI,ESF Atenção Primária e Programa Regionalização. Ou seja, apenas no setor da Saúde o Estado de Mato Grosso deve ao Município de Confresa o montante de R$3.477.139,80 (três milhões, quatrocentos e setenta e sete mil, cento e trinta e nove reais, e oitenta centavos).

São valores oficiais, que estão disponíveis para consulta de qualquer cidadão. Segundo Ronio tal volume de atrasos abala a estrutura administrativa de qualquer Órgão, atrapalhando todo o planejamento feito.

Outro ponto discutido na reunião foi a possibilidade de infecção no Hospital de Confresa, fato que a prefeitura negou e explicou que está investigando todos os casos para que ai sim se manifeste sobre a questão.

Ficou definido no encontro, a criação de uma comissão de discussão permanente na Câmara Municipal aberta ao público para debater demandas registrados no dia a dia. Ainda ficou definido que depois do 20/11, o prefeito e os vereadores irão se reunir com o Governo do Estado para cobrar o pagamento das portarias em atraso.

Outra ação definida foi a formação de uma comissão que irá reunir também a CDL, ACEC, Sindicato Rural, Imprensa, sociedade organizada, Câmara e Prefeitura para a organização de ações para arrecadação de recursos e produtos para a realização de campanhas em prol do Hospital Municipal.

Assessoria de Imprensa 

Compartilhar