Fumaça de queimadas aumentam casos de doenças respiratórias, veja dicas

 

Os danos à saúde causados pelo tempo seco que atinge várias regiões do país podem ser minimizados com alguns cuidados, segundo os médicos. O mesmo não ocorre com os efeitos da fumaça resultante das queimadas que atinge grande parte de todo o estado de Mato Grosso e a região Centro Oeste.

Em Confresa, o tempo ensolarado, a baixa umidade relativa do ar e as constantes fumaças fizeram o número de doenças respiratórias dobrarem no Hospital Municipal de Confresa. Nesta época do ano crianças e idosos acabam sendo os principais atingidos pelas condições climáticas.

A preocupação aumenta por conta da falta de chuvas, em Confresa, por exemplo não chove há mais de 100 dias, todo a região do Araguaia, além das altas temperaturas e a baixa umidade relativa do ar, tem sido castigas por inúmeras queimadas.

Na semana passada um incêndio de grandes proporções atingiu a reserva indígena, Urubu Branco, uma força tarefa que envolveu fazendeiros, produtores, a prefeitura de Confresa e os indígenas trabalharam para apagar o incêndio.

Além desse, vários outros focos estão sendo registrados em toda a região.

Pensando nessa problemas, nossa redação preparou algumas dicas para as áreas mais atingidas do nosso corpo:

Pele – Segundo a dermatologista Cristiane Dal Magro, a hidratação da pele deve ser feita com um creme, mas para ser mais eficaz, é importante que ocorra em até três minutos após o banho.

Nas peles mais sensíveis, a secura pode causar fenômenos alérgicos, como a dermatite atópica, lembra a dermatologista. “Outro fenômeno relacionado ao tempo seco é o eczema, que gera inflamação e irritação, com formação de placas vermelhas e engrossamento da pele”, diz.

Nariz e olhos – outro efeito da baixa umidade sobre o corpo é o ressecamento das mucosas e dos olhos, diz o médico Maurício Menezes de Souza, que atua na área de clínica médica. “Por causa desse ressecamento, o nariz e os olhos podem ficar irritados. No nariz, como os vasos são muitos superficiais, o ressecamento pode causar sangramento”, explica.

Outra consequência relacionada ao ressecamento da mucosa do nariz é a maior vulnerabilidade a viroses. “Com a umidade natural da parede do nariz, vírus e bactérias aderem e ali morrem. Com a mucosa seca, o nariz perde essa capacidade de filtro”, afirma Menezes. Solução fisiológica pode hidratar os olhos e nariz, aliviando o desconforto.

Pulmão – órgão mais afetado pelas partículas em suspensão provocadas pela fumaça de incêndios. O pneumologista Ricardo Martins diz que não há muito o que fazer. Segundo ele, o excesso de fumaça faz com que a respiração se dê de maneira mais prejudicada, tanto pela redução da concentração de oxigênio, quanto pela competição com outros gases. As pessoas devem evitar dirigir nos horários de pico de trânsito, quando há maior concentração de gases produzidos pelos veículos.

Compartilhar